domingo, 20 de março de 2016

Coisas que você precisa saber sobre os nódulos da tireoide.

Olá leitores,
Todos os anos, em São Paulo, acontece o Hormogin, que é o Congresso de Hormonioterapia que ocorre no Centro de Convenções Rebouças (USP). Este ano a 19º edição foi incrível!
De hoje em diante, ao longo do ano, vou preparando posts com os temas mais interessantes, que possam ser úteis para vocês como informação e contribuir para melhoria da atenção a saúde e qualidade de vida.
Para iniciar vamos falar um pouco sobre a tireoide.
Essa glândula em forma de borboleta que fica na frente da traqueia, no pescoço, é responsável por secretar hormônios fundamentais para regular todo o nosso metabolismo.
Dentro dos problemas que podem acontecer com essa glândula, é muito frequente aparecerem nódulos dentro dela. E é sobre esses nódulos que vamos falar.
A maioria dos nódulos tireoidianos é benigna. Vocês sabiam disso?
A questão é  que um nódulo também pode
- Ser funcionante: Um nódulo é funcionante quando secreta quantidades excessivas de hormônios tireoidianos na circulação. Isso pode levar ao aparecimento de hipertireoidismo, que leva a sintomas como taquicardia, aumento da pressão arterial e até convulsões.
- Apresentar características suspeitas: fluxo de sangue no interior do nódulo, irregularidades no formato do nódulo, conteúdos líquidos associados a conteúdos sólidos dentro de um mesmo nódulo e calcificações, são características que precisam ser investigadas com maior detalhe pois um tratamento precoce garante a resolução do problema sem grandes agravamentos para a saúde.
Nem sempre um nódulo tireoidiano vai alterar os níveis dos hormônios na circulação, então é a ultrassonografia da tireoide que vai indicar se existe um nódulo e mostrar suas características.
Este exame não indicará se o nódulo é funcionante. Neste caso, quando há sinais de hipertireoidismo e foi visto o nódulo no USG, a investigação segue com a cintilografia para avaliar se é ou não funcionante.
 Não é um exame para ser feito anualmente, na ausência de sinais e sintomas, mas como rastreamento, feito pelo menos um a cada década de vida, vai contribuir muito com o diagnóstico precoce de qualquer lesão que necessite de investigação e tratamento.
Então, se você nunca fez um rastreamento da sua tireoide, vale a pena conversar com seu médico sobre isso.
Abraços
E até o próximo post.

Nenhum comentário: