quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Mudanças na menopausa

Mudanças na menopausa


O calor inesperado toma conta do dia-a-dia da mulher e acontece interrupção do ciclo menstrual. É sinal que a menopausa chegou. Nessa fase, existem muitas modificações hormonais, pois os ovários entram em falência e, por isso, os hormônios por ele produzidos, basicamente, estrogênio e progesterona, param de ser produzidos.
Com essa mudança na produção dos hormônios, o corpo da mulher sofre muitas alterações. É comum mulheres na menopausa terem insônia, dor de cabeça, palpitação, tonturas, perda de massa óssea, alteração na distribuição da gordura corporal, além de risco aumentado de doenças cardiovasculares.
Para melhorar os indícios físicos desses sintomas, existe a possibilidade de reposicionamento hormonal, mas a ginecologista Maria Luiza Campos da Silva alerta: “Não é toda mulher que pode ser submetida a este tratamento. E para saber se esse é o procedimento indicado, é necessária a opinião de especialistas”, diz.
Reposicionamento

Para as mulheres que podem fazer o procedimento, a reposição é feita usando hormônios femininos sintéticos, isto é, produzidos em laboratório. O intuito é imitar a ação dos antigos hormônios e assim diminuir os sintomas. “Pode-se usar monoterapia ou associar os dois tipos de hormônio. Também pode-se usar um pouco de testosterona em determinados casos”, explica a ginecologista. Em relação aos benefícios, a melhora clínica dos transtornos fica em primeiro lugar. Maria Luiza diz que a ideia é conseguir fazer uma transição do período fértil para a menopausa de uma forma mais gradativa e equilibrada, diminuindo as doses hormonais até o desaparecimento dos sintomas.
Idade

Logo que a mulher começar a sentir os sintomas do climatério, que pode ocorrer até 10 anos antes da falência ovariana, a mulher já pode procurar acompanhamento de um especialista. O profissional indicará algumas mudanças alimentares e implantação atividade física no cotidiano da paciente. “Quando os sintomas não desaparecerem mais com esses cuidados, caso essa mulher não tenha nenhum fator de restrição ao uso de hormônio, com distúrbios da coagulação e risco de câncer familiar, estará indicado o tratamento”, explica a ginecologista, finalizando que algumas mulheres passarão por esta fase de uma forma mais amena e sem sintomas. Por tanto, para essas pessoas o procedimento de reposição hormonal não é indicado.
Créditos

Pamela Fortes
www.alemdabeleza.com.br




Nenhum comentário: