quinta-feira, 10 de setembro de 2009

CORRIMENTO VAGINAL


O corrimento genital é queixa muito comum em Ginecologia. É a presença de maior volume de líquido que o necessário à lubrificação da vagina.
O conteúdo normal da vagina é uma mistura de substâncias, principalmente, da secreção das glândulas, da descamação celular, de neutrófilos e microrganismos saprófitas e da transudação dos capilares da parede vaginal.
Em certas condições fisiológicas, o conteúdo vaginal pode aumentar, como por exemplo na época da ovulação e na fase pré menstrual, durante a excitação sexual, no período neonatal, na puberdade, na gestação e no puerpério.
É muito difícil quantificar a secreção normal da vagina. Sob o ponto de vista médico, pode ser um sintoma ou sinal: sintoma quando o volume é tão grande a ponto de ser expelido pela vagina, fazendo com que a paciente perceba a região vulvar permanentemente úmida e suas roupas íntimas molhadas. Sinal, quando apesar do desconhecimento da mulher quanto ao aumento da secreção, à simples inspeção podemos observar a saída através da região vulvar de líquidos sem características fisiológicas.
As causas de corrimento são variadas, pode ter origem infecciosa, alérgica, entre outras.
A infecção pode se originar do crescimento da flora normal da vagina (oportunista), assim como da colonização de novos microrganismos introduzidos através do contato sexual e agravada pela promiscuidade.
É queixa comum nos consultórios de ginecologia.
O trato genital possui alguns mecanismos de defesa contra os microrganismos. Fatores mecânicos, como a pele da vulva, pêlos pubianos, os pequenos lábios e perfeita justaposição das paredes vaginais, já oferecem uma barreira inicial contra os agentes infecciosos.
O muco vaginal alcalino, bastante aumentado na gestação, constitui um tampão mecânico e bactericida eficaz.
Mais importante, entretanto, a autodefesa vaginal, como principal mecanismo contra a infecção. Decorre da presença de lactobacilos (bacilos de Döderlein), que produzem peróxido de hidrogênio e também possuem a capacidade de converter glicogênio em ácido lático. Este, por sua vez, diminui o pH, tornando-o ácido. O mecanismo de autodepuração é indiretamente regulado pelo estrogênio e, portanto, aumenta o substrato para a ação enzimática do lactobacilo.
Ou seja, sua vagina não é totalmente seca.Tem uma lubrificação natural de defesa.Quando esta está aumentada deve ser invetigada pois pode ser sinal de uma infecção, entre outras causas.

Um comentário:

Anônimo disse...

Queria saber se o aumento do muco vaginal pode ser sinal de gravidez mesmo antes do atraso menstrual?