terça-feira, 1 de setembro de 2009

Como escolher o melhor método contraceptivo



Pílula, injeção, DIU, adesivos e anéis. São diversos os contraceptivos à base de hormônios, o que acaba confundindo a mulher na hora da escolha do melhor método. Mas quais são os benefícios de cada um deles? Qual é o que mais combina com a sua rotina diária?

Para te ajudar na escolha do contraceptivo que mais se encaixe nas suas necessidades, o MinhaVida conversou com Rosa Maria Neme, ginecologista do Hospital Israelita Albert Einstein. Ela afirma que conversando com um especialista você pode sugerir aquele que mais combine com você.

-Os injetáveis: Eles são super práticos, mas podem atrapalhar seu ciclo menstrual devido às doses de longa duração. São uma ótima opção para quem se esquece de tomar as pílulas diárias. "Os contraceptivos injetáveis podem ser usados mensalmente ou trimestralmente. O problema é que eles causam muita irregularidade do ciclo menstrual, o que pode confundir a mulher", explica ginecologista.

-DIU de progesterona: Ele tem uma duração enorme, o que proporciona mais tranqüilidade, além e possuir baixar dosagem de hormônios. "O DIU de progesterona pode permanecer durante 5 anos dentro do útero, além de ter a vantagem de possuir uma baixa dosagem de hormônio e não influenciar no ciclo hormonal (ovulação). Ele também diminui o sangramento vaginal, podendo, em alguns casos, até suspender a menstruação", afirma a especialista.

Adesivos e anel vaginal: Os dois apresentam uma dosagem baixa e são super práticos. Mas, precisam de uma recomendação médica. A quantidade de hormônios pode variar nas duas opções de contraceptivos. Eles podem ser trocados semanalmente ou a cada 3 semanas, sendo ideais para mulheres que esquecem de tomar a pílula diária", diz Rosa Maria Neme.

- Pílula do dia seguinte: Também considerada um contraceptivo hormonal a pílula do dia seguinte só deve ser usada em casos de emergências. "Composta de uma dose mais alta de progesterona, ela evita a gestação em casos especiais (quando a camisinha falha, por exemplo). Mas, não pode ser usada com freqüência, caso contrário, pode causar sérios problemas hormonais", alerta a especialista.

Além do anticoncepcional
Os contraceptivos hormonais podem servir de ajuda extra para mulheres, basta a escolha certa para sentir diversos benefícios, para o corpo. "Os métodos hormonais podem beneficiar a mulher em diferentes aspectos. Mas para isso acontecer é preciso a escolha do ideal para seu organismo. Entre os principais e mais comuns benefícios podem citar a melhora da pele (diminuição drástica da pele ressecada), nas cólicas menstruais, no sangramento vaginal (que tende a diminuir) e nos sintomas da TPM, por exemplo", explica a especialista.

Mito
A especialista afirma que usar anticoncepcionais por mais de um ano não prejudica a capacidade de engravidar. "Isso é um mito, depois de um mês de interrupção do método, as chances de engravidar voltam ao normal", explica.

Olho aberto
Tomar anticoncepcionais sem restrição médica pode resultar em diversos males para a saúde. "Os anticoncepcionais sugerem diversos riscos para saúde da mulher, quando consumidos de forma incorreta. Mulheres fumantes, acima dos 35 anos, devem evitar contraceptivos que contenham o estrógeno sintético, chamado etinilestradiol", alerta a ginecologista. A precaução evita problemas graves, como a trombose.
A tabela acima mostra um esquema prático com todos os métodos comparados.

Um comentário:

dina andrade disse...

sra dra tenho uma filha com (hpv)ela tem 6 anos e foi vista por um dermatologista mas foi me alertado o facto de eu ser a portadora nao tou por dentro dissoo o que sei foi atravez da net associacao medica brasileira e conselho federal de medecina que devo fazer nao tenho jinecologista dina andrade.