sexta-feira, 8 de agosto de 2008

INCONTINÊNCIA URINÁRIA - CAUSAS

Segundo a Sociedade Internacional de Continência, incontinência urinária de esforço na mulher é definida como a perda involuntária de urina pela uretra, secundária ao aumento da pressão abdominal, na ausência de contração do músculo vesical, e que acarreta problemas sociais à paciente.

A incontinência urinária é um sintoma desagradável que piora a qualidade de vida das pessoas, prejudicando as atividades diárias e levando a problemas emocionais, tais como, ansiedade, neurose, depressão, além de acarretar disfunções sexuais. Apresenta-se em mulheres de todas as idades e não é um processo inevitável ou irreversível do envelhecimento. É uma condição médica que apresenta diversas causas e com ótimas soluções para o seu tratamento. Este problema além do desconforto físico, gera constrangimento para as pacientes, que se reflete na piora de sua qualidade de vida. Embora não seja uma doença, mas sim uma condição, a perda involuntária de urina não é normal, devendo ser investigada e tratada adequadamente.

Estima-se que milhões de mulheres no mundo inteiro sofram com incontinência urinária. O número deve ser maior do que as estatísticas demonstram, porque as mulheres relutam em discutir este assunto com os médicos.
Mulheres de todas as idades podem ter problemas urinários.Mulheres jovens podem apresentar incontinência urinária após o parto.O problema de perda urinária pode aparecer após a menopausa por falta de hormônio na uretra. Muitas pacientes após os 70 anos têm problemas de controle urinário. Maior a longevidade, maior a incidência de incontinência urinária. Fumante tem 2 vezes mais perda urinária. Obesidade, diabete, álcool, cafeína e infecção urinária são fatores que agravam a incontinência.A incontinência urinária aumenta a ansiedade, a depressão, causa neuroses, disfunção sexual e piora a qualidade de vida.
Existem situações transitórias e definitivas que podem levar à incontinência urinária.
Dentre as situações transitórias, que são responsáveis por cerca de 50% dos casos de incontinência urinária nas mulheres idosas, podemos citar:
- Remédios: existem vários medicamentos que interferem tanto na função vesical como na uretral. - Deficiência hormonal: a função uretral relacionada à contenção urinária está intimamente relacionada à produção hormonal. Após a menopausa, a produção de estrógeno diminui e em algumas mulheres o tecido uretral torna-se mais frágil e sujeito à lesões e infecções.- Infecção urinária: as cistites agudas são muito comuns nas idosas e podem levar a urge-incontinência.- Problemas mentais: alterações mentais graves nas quais o indivíduo perde o sentido de orientação podem levar à perda da consciência do enchimento vesical.Dentre as situações definitivas que levam a incontinência podemos citar:- Gravidez: a gestação aumento a tensão sobre a musculatura da pelve feminina. Além disso, durante o parto pode haver o estiramento e ruptura das fibras musculares do períneo, deslocando a bexiga e a uretra de suas posições normais e causando a perda urinária.Cirurgias abdominais ou pélvicas: destacam-se a histerectomia, as falhas das cirurgias para incontinência e a cirurgias para tratamento de tumores pélvicos.- Acidente vascular cerebral, traumas e tumores medulares: são situações nas quais pode haver comprometimento do controle do sistema nervoso sobre a micção.(CECURJ - Centro de Incontinência Urinária do Rio de Janeiro)

Nenhum comentário: